Ultimas Noticias

6/recent/ticker-posts

Lula reúne 50 mil em ato no Rio de Janeiro: 'Vou quebrar esses sigilos de 100 anos'


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) realizou nesta quinta-feira (7) um ato no Rio de Janeiro com Marcelo Freixo (PSB), André Ceciliano (PT) e outras lideranças do campo progressista.

O ex-presidente Lula reuniu, pelas estimativas do PT, cerca de 50 mil pessoas em ato na Cinelândia, no Rio de Janeiro. Logo no início de sua fala, o petista criticou a falta de transparência do governo Bolsonaro.

"Tudo é sigilo de 100 anos. Vou quebrar sigilos de 100 anos no primeiro decreto que fizer", declarou.

O evento contou com a presença de seu pré-candidato a vice, Geraldo Alckmin (PSB), de Marcelo Freixo (PSB), pré-candidato ao governo do Rio apoiado por Lula, de André Ceciliano (PT), pré-candidato ao Senado, além de outras lideranças.

Ao longo de seu discurso, Lula reforçou a posição do PT em exigir que Ceciliano integre a chapa majoritária como candidato ao Senado. O deputado federal Alessandro Molon, presidente dos socialistas no Rio, tem defendido sua candidatura, o que causou um imbróglio entre as siglas.

Molon não ficou na linha de frente do palanque, mas discursou enquanto presidente do PSB no estado. Ele deu indiretas a Ceciliano, criticando o parlamentar por manter relações com o governador Cláudio Castro (PL), governador alinhado ao presidente Jair Bolsonaro.
Depois, já com Lula no palco, Ceciliano chamou Molon de covarde: "Lula precisa de um senador que não vai tirar o pé da bola dividida; que não vai abandonar, como muitos covardes fizeram", disparou.

Lula da Silva e seus aliados destacaram a importância da união ampla das forças progressistas para derrotar o Jair Bolsonaro e resolver problemas que afligem o Brasil.

O ex-presidente afirmou que a fome é irresponsabilidade de quem governa e citou questões específicas do Rio, como a necessidade de recuperar a indústria naval e resolver o problema da violência.

Ele defendeu uma Petrobras gerida pelo Estado e disse que, para isso, é preciso voltar a desenvolver a indústria naval fluminense.

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, agradeceu aos partidos que compõem o movimento Vamos Juntos pelo Brasil, da chapa Lula-Alckmin, e disse que a união será fundamental para "evitar que o fascismo avance no Brasil".

O ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato a vice de Lula, disse que ao viajar o país com o ex-presidente, vê de Norte a Sul um movimento de volta da esperança. "Vamos ter uma grande festa cívica daqui a 90 dias", declarou.

Postar um comentário

0 Comentários