Atendendo a recurso da PGR, Rosa Weber arquiva inquérito sobre Bolsonaro no caso Covaxin | Reconvale Noticias



                                            Foto: José Cruz/ Agência Brasil
A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber atendeu a um recurso da Procuradoria-Geral da República (PGR) e arquivou o inquérito da Polícia Federal sobre possível prevaricação do presidente Jair Bolsonaro no caso Covaxin. Em março, Rosa Weber havia rejeitado o primeiro pedido da PGR para arquivar a apuração. A ministra argumentou na ocasião que, ao ser comunicado de um possível crime, o presidente não tinha “direito à letargia” e tinha a obrigação de acionar órgãos de controle.

No recurso agora atendido pela ministra, a PGR acrescentou um novo argumento ao pedido de arquivamento: apontou que não havia “justa causa” para prosseguir com a investigação.

Rosa Weber afirma na nova decisão que a jurisprudência do Supremo – ou seja, o histórico de decisões do tribunal – não permite que ela recuse esse novo argumento da PGR.

Entenda

A PF apurava se Bolsonaro tinha cometido crime ao deixar de encaminhar denúncias de irregularidades na negociação da vacina indiana – as suspeitas haviam sido levadas ao presidente pelo deputado Luis Miranda e pelo irmão, que trabalha no Ministério da Saúde. A suspeita era de prevaricação, ou seja, quando o servidor público retarda ou deixa de praticar ato de sua responsabilidade, ou contraria a lei, para “satisfazer interesse ou sentimento pessoal”.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem