últimas Noticias

6/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Manchas escuras nas mulheres, quais as causas e como tratar?




O problema das manchas escuras na pele é conhecido também como melasma. Mas apesar de ser comum nas mulheres, ela também afeta os homens.

Portanto, o melasma é um problema de pele muito comum que aparece geralmente no rosto, nas mãos e em outras partes do corpo.

Neste post você vai saber o que é a melasma e as suas causas. A intenção é ajudar você nos cuidados com a pele, para prevenir ou até mesmo reduzir estas manchas.
O que é o melasma?


O melasma é uma doença da pele que causa manchas escuras de cor castanha no rosto e em outras partes do corpo. Apesar de ser uma doença benigna, ela pode causar baixa autoestima.

Os adultos jovens estão mais propensos a desenvolver o melasma entre os 27 e os 37 anos. Geralmente, é uma doença crônica e evolui no decorrer dos anos.
Sinais e sintomas

Os sinais da melasma são as manchas escuras na pele que aparecem geralmente no rosto.

Portanto, as áreas mais atingidas são a testa, as bochechas, o nariz, o queixo e a região entre o nariz e o lábio superior. Mas ela pode aparecer no pescoço, peito, costas, axilas ou na parte de cima das mãos.
Tipos de melasma

Os tipos de melasma dependem da localização da melanina:

Melasma epidérmico – Acontece quando a melanina aparece na camada mais superficial da pele. Geralmente, as manchas são bem definidas e a cor é castanho-escuro. No entanto, este tipo responde mais rapidamente ao tratamento.

Melasma dérmico – Neste caso por exemplo, a melanina aparece na parte mais profunda na pele. Mas nesse caso, as manchas são mal definidas e a cor é castanho-claro ou azul-acinzentada. Entretanto, a resposta ao tratamento é mais lenta.

Melasma misto – Isso acontece quando os dois tipos anteriores aparecem, com características intermediárias.

Desse modo, a lâmpada de Wood e a dermatoscopia ajudam a descobrir o tipo de melasma.
Classificação da gravidade no melasma

A gravidade do melasma pode ser classificada com recurso a várias escalas. Um exemplo é o MASI (Melasma Area and Severity Index), em que uma pontuação mais elevada corresponde a uma patologia mais grave.
Causas das manchas escuras

A causa do melasma ainda não é completamente conhecida. Mas o que se sabe é que as células que produzem a melanina fazem em excesso, causando a hiperpigmentação.

Alguns fatores podem desenvolver o melasma, como por exemplo:
Alterações hormonais, gravidez e anticoncepcionais;
Exposição solar;
Fatores genéticos;
Cor da pele;
Medicamentos e cosméticos;
Deficiência de Zinco.

Portanto, o melasma é mais comum nas mulheres em idade fértil. Além disso ela está associada com a gravidez, podendo inclusive aparecer durante a gestação. No entanto, o melasma pode desaparecer espontaneamente após o parto. Mas infelizmente isso nem sempre acontece.

Os anticoncepcionais também podem contribuir para o aparecimento de melasma. Do mesmo modo, a utilização de alguns dispositivos intra-uterinos também podem causar manchas escuras.

O sol também tem um papel importante no desenvolvimento e agravamento do melasma. Pois geralmente, esta doença piora no verão, principalmente em países com radiação solar intensa. Desse modo, para evitar a piora do melasma, é necessário usar um bom protetor solar nas áreas de pele expostas ao sol. Usar óculos de sol é bom também.
Diagnóstico de melasma

O diagnóstico de melasma é clínico, ou seja, é feito pelo dermatologista com base na história clínica e exame físico. A lâmpada de Wood e a dermatoscopia podem ser úteis.

Algumas vezes no entanto, os médicos confundem o melasma com a hiperpigmentação pós-inflamatória, lêntigos solares ou raramente com o lêntigo maligno. Este último é uma variação do melanoma, ou seja, um câncer da pele.
O melasma é contagioso?

O melasma não é uma doença contagiosa ou transmissível. Ou seja, a melasma não se transmite ou se “pega” por contato direto de pessoa para pessoa.
O melasma tem cura?

O melasma é uma doença crônica e repetitiva, ou seja, a cura definitiva é relativamente rara. Mas quando ela está associada à gravidez, ela pode desaparecer com o tempo após o parto.

Contudo, mesmo após o melasma desaparecer é importante se proteger do sol. Pois caso contrário esta doença pode voltar a surgir.
Tratamento das manchas escuras


Com a ajuda de um dermatologista, muitas pessoas conseguem clarear ou mesmo eliminar o melasma. No entanto, podem ser necessários longos meses para o tratamento dar certo.

O tratamento poderá incluir:
Creme ou pomada clareadora, como a hidroquinona, retinóides, ácido azelaico, ácido kójico, ácido tranexâmico ou a vitamina B3. Inclusive ele podem ser usados juntos. Alguns destes produtos no entanto, podem irritar a pele de forma durante o tratamento, mas depois passa.
Comprimidos, como o ácido tranexâmico ou o Polypodium leucotomos. O ácido tranexâmico oral na dose de 250mg duas vezes por dia é uma opção promissora no tratamento do melasma. Inclusive em doentes que não melhoram com despigmentantes tópicos. Mas eles devem ser usados com precaução devido ao risco de efeitos adversos, como trombose venosa profunda.
Peelings químicos, como o ácido glicólico, o ácido salicílico ou o ácido tricloroacético. Pois eles podem regenerar as camadas mais superficiais da pele. Mas esses também devem ser usados com cuidado, especialmente em doentes com a pele mais escura. Já que eles podem causar hiperpigmentação ou cicatrização.
Tratamentos com laser ou luz intensa pulsada (IPL). Nesse caso, alguns dos lasers utilizados são o laser fracionado não ablativo, o QS-Nd:YAG e o laser pulsado de contraste (PDL). No entanto, algumas vezes após o tratamento laser, o melasma pode reaparecer rapidamente ou mesmo agravar.

É importante falar que não existe qualquer tipo de tratamento “caseiro ou natural” que cure o melasma. Mesmo porque o doente nunca deve se auto medicar, mas sim seguir a risca medicação receitada pelo médico dermatologista.
Prevenção das manchas escuras

A proteção solar é a medida mais importante na prevenção do melasma. Ao longo de todo o ano, os doentes devem usar todos os dias um protetor solar FPS 50+ nas áreas expostas ao sol.

Sempre que se estiver ao ar livre por longos períodos de tempo deve usar um chapéu de aba larga e reaplicar o protetor solar a cada 2 ou 3 horas.

Postar um comentário

0 Comentários