Ultimas Noticias

6/recent/ticker-posts

Enquete

Professora morta em assalto foi socorrida por namorado, diz polícia


A professora Anilene dos Santos Farias, de 37
anos, morta durante um assalto na Rua do Paraíso, no bairro da Mouraria, em Salvador, na noite de quinta-feira (18), estava a caminho da casa do namorado quando ocorreu o crime. Anilene lecionava na rede municipal de Salvador e no colégio particular Antônio Vieira. Conforme a polícia, a professora estava a bordo de um carro quando dois suspeitos teriam pedido a chave do veículo. A polícia não soube informar se a vítima resistiu ao assalto. Logo em seguida, um dos homens teria efetuado o disparo na cabeça da professora e fugiu com a carteira da vítima. O carro dela não foi levado. Segundo informações da assessoria da Polícia Civil, o namorado dela, que é enfermeiro, chegou a socorrê-la após ser avisado pelo porteiro do prédio sobre o ocorrido, mas ela não resistiu. O caso será investigado pela 1ª Delegacia dos Barris por se tratar de um latrocínio, que é o roubo seguido de morte, informou a polícia. O corpo de Anilene dos Santos Farias está no Instituto Médico Legal (IML) na manhã desta sexta-feira (19) e será enterrado no cemitério Campo Santo, às 10h de sábado (20).
Pesar
Por meio de nota, a Secretaria Municipal da Educação lamentou a morte da docente e se solidariza com familiares e amigos da professora. O secretário Guilherme Bellintani também se pronunciou sobre o fato e informou que a docente exerceu por 15 anos um trabalho para a Educação da capital baiana. Anilene lecionava na Escola Municipal Adalgiza Souza Pinto, na Liberdade, e exercia função de coordenadora pedagógica na Gerência Regional do bairro. A professora também ensinava no terceiro ano do ensino fundamental do colégio particular Antônio Vieira, em Salvador. Em nota publicada no site da instituição, a diretora geral, Mariângela Risério, lamentou a morte de Anilene. Elza Melo, diretora da APLB Sindicato, também lamentou a morte da docente. "Vamos entrar em contato com a família para nos solidarizarmos", disse ao G1. "O que a gente exige é segurança. Precisamos que o poder público dê e assegure a segurança para a população de Salvador e da Bahia. Lamentamos profundamente. Uma jovem. Situação muito difícil que deixa a gente chocado", comentou a sindicalista. (G1)   Via : Voz da Bahia

Postar um comentário

0 Comentários