Ultimas Noticias

6/recent/ticker-posts

Enquete

Chuva deixa 12 mortos no Rio de Janeiro e no Espírito Santo, com enchentes e deslizamentos






As chuvas intensas que atingem a região Sudeste desde sexta-feira (22) causaram oito mortes no Rio de Janeiro e quatro no Espírito Santo.
O cenário mais crítico é em Petrópolis, na Região Serrana do RJ, onde choveu mais de 340 mm desde sexta. É um volume muito grande em pouco tempo. A média na cidade para todo o mês de março é de 250 mm.
A chuva concentrada deixa o solo instável e provoca deslizamentos. A Defesa Civil informou a ocorrência de 238 deslizamentos na cidade.
Um deles destruiu a casa de uma família e deixou quatro mortos. Uma menina de quatro anos foi resgatada viva após 15 horas sob os escombros. Ayla perdeu os pais, o irmão e a avó. O resgate emocionou os bombeiros e moradores. A menina está fora de perigo.
Ela estava abraçada ao pai, que foi retirado sem vida. Douglas José de Souza tinha 24 anos. Ele usou o corpo como escudo para protegê-la.
Mais mortes no RJ
Em Teresópolis, uma criança de 8 anos e um adolescente de 14 morreram após três casas caírem numa. Em Arraial do Cabo, um homem morreu atingido por um raio. Em Duque de Caxias, um motorista morreu depois que o caminhão que ele dirigia capotou na pista molhada e caiu em um córrego.
A chuva é causada por uma frente fria que chegou da região Sul e pôs fim à onda de calor que atuou na região na semana passada. Agora, essa frente fria está estacionada entre o norte do RJ e o sul do ES.
A chuva deve continuar neste domingo (24). Segundo dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), ainda há risco alto de enchentes, enxurradas e deslizamentos.
Os municípios mais suscetíveis a deslizamentos são Petrópolis e Teresópolis, no RJ, e Bom Jesus do Norte, no Espírito Santo. Na cidade do Rio, pode chover a qualquer hora do dia.
anto, a chuva causou enchentes na cidade de Mimoso do Sul. Há quatro mortos e sete desaparecidos, segundo a Defesa Civil.
Em algumas casas, a água chegou ao segundo andar. Moradores foram para o telhado para escapar da enchente. Os bombeiros vão passar o fim de semana trabalhando para retirar moradores que estão em regiões isoladas.
O governador Renato Casagrande disse que a situação é caótica na cidade. "Tem muita gente ainda no terraço das casas, no segundo andar, que ainda não conseguiram sair, estão sem alimentação, sem água. Então, fazer chegar alimentação e água para essas pessoas onde elas estão."
Ao todo, 1.200 pessoas estão desalojadas no estado (mil em Mimoso e 200 em Guaçuí). Treze cidades estão em emergência.
Em nove municípios, o volume de chuva passou de 100 milímetros em 24 horas. Em Bom Jesus do Norte, chegou a 302 milímetros. Em Mimoso do Sul, foi de 231,8 milímetros.
O vídeo abaixo mostra que um caminhão do Corpo de Bombeiros foi levado pela enxurrada. Ninguém se feriu.
Chuva arrasta caminhão do Corpo de Bombeiros em Mimoso do Sul, no ES
No Rio de Janeiro, entre sexta e a tarde de sábado, choveu 258 mm em Petrópolis, 200 mm em Teresópolis, 246 mm em Campos dos Goytacazes, 168 mm em Friburgo e 134 mm em Magé.
Chuva deixa 8 mortos no Rio de Janeiro
Para as próximas horas, há alerta para risco de alagamentos nas seguintes cidades do RJ:
Bom Jesus do Itabapoana;
Campos;
Magé;
Nova Friburgo;
Petrópolis;
Teresópolis;
Rio de Janeiro (capital).
Há risco de deslizamentos em Bom Jesus do Itabapoana, Campos, Magé, Petrópolis e Teresópolis.
Região Serrana do RJ
O meteorologista Cesar Soares explicou que a cidade de Petrópolis registrou um acumulado de 320 milímetros de chuva entre a tarde de sexta e a manhã de sábado. Esse volume supera a média para todo o mês de março, que é de 250 mm.
O risco em Petrópolis e Teresópolis segue muito alto para deslizamentos de terra. Qualquer chuva vai se somar ao que a chuva já provocou, de acordo com Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), do governo federal.
"Houve muita chuva em um curto período de tempo acaba acarretando nesses grandes problemas", diz Cesar Soares.
Desde quinta (21), a Defesa Civil de Petrópolis contabilizou 366 registros de ocorrências, sendo 238 deslizamentos.
Orientações para a população
▶️ Inmet e Cemaden deram algumas orientações prioritárias para a população das áreas que serão atingidas pelas tempestades:
Evitar deslocamentos desnecessários;
Ficar atento a alertas da defesa civil nas redes sociais e na internet;
Pelo Whatsapp (61) 2034-4611, é possível receber os alertas, além de orientações sobre o que fazer em casos de desastres;
Alertas pelo Telegram: @defesacivilbrbot.

Postar um comentário

0 Comentários