Ultimas Noticias

6/recent/ticker-posts

Enquete

BRICS: Lula defende mundo multipolar e combate global às desigualdades | Reconvale Noticias

 

“É fundamental a cooperação entre os países do Sul Global no enfrentamento das desigualdades, da crise climática e por um mundo mais justo”, diz Lula. Cúpula terá início em Joanesburgo nesta terça (22)

O fortalecimento e a possível ampliação do bloco econômico batizado de BRICS, que integra Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul, serão debatidos nesta semana em Joanesburgo. Os desafios do Sul Global para a construção de um mundo mais multipolar estarão no centro da agenda da cúpula, que hoje corresponde a 40% da população do planeta e detém 26% das riquezas mundiais. Na reunião dos dias 22 e 23 de agosto, o presidente Lula defenderá uma agenda ampla de inserção dos países do bloco nos principais fóruns de discussões globais e um política comum de enfrentamento à extrema pobreza no mundo.

Em entrevista ao jornal sul-africano Sunday Times, publicada no domingo (20), Lula expôs a necessidade de os países discutirem “uma nova governança global e a reforma das instituições multilaterais, bem como debates sobre a expansão do próprio BRICS”. Atualmente, pelo menos 22 países demonstram interesse em ingressar no bloco econômico.

O presidente também falou que o bloco precisa trabalhar para fortalecer o continente africano. “Estou feliz que aqui, nesta cúpula na África do Sul, vamos discutir como os países do BRICS podem avançar, ao lado dos países africanos, para proporcionar um desenvolvimento mais forte e inclusivo na África”, ressaltou Lula.

Pouco antes de embarcar, Lula manifestou empolgação com a participação do Brasil na cúpula e lembrou da própria atuação na criação do bloco. “É fundamental a cooperação entre os países do Sul Global no enfrentamento das desigualdades, da crise climática e por um mundo mais equilibrado e justo”, destacou Lula, pelo Twitter.

Ao Sunday Times, ele também lamentou a ausência do presidente russo Vladimir Putin no encontro. “O ministro [das Relações Exteriores da Rússia, Serguei] Lavrov é um diplomata muito importante e experiente, mas seria muito importante que a Rússia participasse desse encontro com o seu presidente”, declarou Lula ao jornal africano.

Nós vamos discutir importantes temas globais, como a paz e a luta contra a desigualdade, e eu gostaria muito de discuti-los pessoalmente com o presidente Putin”, lamentou o presidente.

Moeda comum

Outro tema a ser discutido na cúpula é a possível criação de uma moeda comum aos países que integram o BRICS, o que desobrigaria as economias de fazer transações em dólar. O debate foi iniciado recentemente pelo próprio presidente Lula.

“Toda noite, me pergunto por que é que todos os países estão obrigados a fazer seu comércio lastreado no dólar. Por que é que nós não podemos fazer o nosso comércio lastreado na nossa moeda? Por que é que nós não temos o compromisso de inovar?”, questionou o presidente, em abril, durante visita à China.

Conselho Empresarial dos BRICS

A possibilidade de ampliação de investimentos estrangeiros no país também mobilizou um grupo de 30 industriais brasileiros a participarem da cúpula. As reuniões ocorrem no âmbito do Conselho Empresarial dos BRICS (Cebrics). Além do fortalecimento de negócios com a China, hoje o maior parceiro comercial do Brasil, o grupo pretende incrementar parcerias com outros países do bloco, como a Índia.

“A Índia deverá apresentar um desenvolvimento e crescimento econômico bastante vigoroso nos próximos anos”, constatou o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Ricardo Alban, em entrevista à Agência Brasil. “Seria muito interessante que pudéssemos compartilhar desse crescimento e tivéssemos uma maior amplitude não só comercial como também de investimentos mútuos”, opinou Alban.

“Já temos muitas indústrias que estão localizadas dentro da Índia e, certamente, com esse novo nível de crescimento econômico deverão surgir muitas oportunidades”, destacou.

Após a realização da cúpula dos BRICS, Lula fará visita de Estado a Angola e participa da cúpula da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em São Tomé e Príncipe, ainda nesta semana.

Da Redação, com Agência Brasil

Postar um comentário

0 Comentários