Ultimas Noticias

6/recent/ticker-posts

Enquete

Plano de golpe envolvia uso da GLO e a prisão de Moraes | Reconvale Noticias





Aliados de Jair Bolsonaro (PL) responsáveis por um plano de golpe queriam usar a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e prender o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes. A informação foi publicada pela jornalista Daniela Lima, da CNN.
As conversas aconteceram em dezembro de 2022. Moraes foi empossado presidente do TSE em agosto do ano passado.
Duas pessoas que participaram do plano foram o ex-major do Exército Ailton Barros e o tenente-coronel Mauro Cid. Os dois tiveram um diálogo. “Se for preciso, vai ser fora das quatro linhas”, afirmou Barros a Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro.
Barros e Cid foram presos nesta quarta-feira (3) pela Polícia Federal na Operação Venire, sobre um esquema de falsificação de informação sobre cartões de vacina. De acordo com a PF, Bolsonaro e Mauro Cid tinham "plena ciência" da mudança ilegal em informação dos cartões de vacinação do ex-ocupante do Planalto.
A PF também disse que Supremo que Cid é o elo entre Jair Bolsonaro (PL) e milícias. Barros afirmou que sabe de informações de quem mandou matar a ex-vereadora da cidade do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL), morta pelo crime organizado em março de 2018.
Dois ex-policiais foram presos. Ronnie Lessa, que, de acordo com as investigações, deu os tiros. O outro detido foi Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos e que, segundo as apurações, dirigia o carro no momento do crime.
Acusado por oposicionistas de envolvimento com milícias, Bolsonaro não foi acusado de participação no crime contra Marielle, mas investigadores apuram a conexão dele com milicianos. Ronnie Lessa morava no mesmo condomínio de Bolsonaro no Rio. Queiroz também apareceu em uma foto com o ex-ocupante do Planalto, que teve o seu rosto cortado na imagem.

Postar um comentário

0 Comentários