Assassino da enfermeira Priscila Cardoso é sentenciado a mais de 30 anos de prisão | Reconvale Noticias

Assassino da enfermeira Priscila Cardoso é sentenciado a mais de 30 anos de prisão  | Reconvale Noticias



Em sentença prolatada no fim da tarde desta quarta-feira, 17 de novembro, no Fórum da Comarca de Caratinga, Reginaldo Ferreira de Souza, o Pau Véio, de 49 anos, que confessou a morte da enfermeira Priscila Cardoso da Silva, de 35 anos, foi sentenciado a cumprir 30 anos e 15 dias de reclusão por latrocínio (roubo seguido da morte da vítima), conforme apurado pela reportagem do jornal Diário do Aço.
Os detalhes da sentença ainda não foram disponibilizados pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Entretanto, é certo que a defesa do condenado poderá recorrer da sentença, para reduzir o tamanho da pena.
Inicialmente esperava-se que a condenação, conforme pedido pelo Ministério Público Estadual, que considerava o crime como latrocínio, roubo e estupro, passasse de 50 anos. Entretanto, o réu foi sentenciado apenas por latrocínio e roubo do carro da vítima, cuja pena somou pouco mais de 30 anos.
Também foi proferida a sentença no caso do mecânico apanhado em Teixeira de Freitas, Bahia, com o carro da vítima, um Chevrolet Ônix, roubado pelo autor confesso do crime.
Clébio Dutra de Jesus, de 37 anos, foi sentenciado apenas por adulteração de sinal identificador de veículos e foi sentenciado a uma pena de dois anos e multa. Clébio, que respondia o processo preso desde o dia primeiro de junho deste ano, já teve expedido o alvará de soltura e cumprirá a pena no regime aberto.
Entenda como foi crime
Reginaldo Ferreira de Souza confessou que matou a enfermeira Priscila Cardoso da Silva, de 35 anos, depois de sequestra-la na saída da Unidade Básica de Saúde do bairro Cidade Nova, em Santana do Paraíso, em 15 de março de 2021.
Ele chegou a alegar um suposto relacionamento amoroso, mas essa versão não foi sustentada e nem provada. Para a polícia, a intenção sempre foi a de roubar o carro da vítima.
Pau Véio, como é conhecido, foi julgado na Comarca de Caratinga, pois o local onde a vítima foi executada (nas proximidades da cidade de Ipaba) é uma área que pertence à comarca de Caratinga.
O autor confesso do assassinato, Pau Véio foi denunciado pelo Ministério Público pelos crimes de latrocínio, estupro, sequestro qualificado e adulteração do veículo roubado da vítima. Entretanto, respondeu pela morte da vítima e roubo do carro. Caso fosse condenado pelos crimes denunciados, a pena chegaria a 54 anos de reclusão.
Comoção
O caso da enfermeira Priscila foi marcado por grande comoção. Depois de desaparecer de sua residência e de seu local de trabalho, no dia 15 de março passado, ambos no bairro Cidade Nova, iniciou-se uma campanha para a localização dela.
A polícia montou um quebra-cabeças que começou com a coleta de imagens de câmeras de segurança, nas proximidades do local de trabalho, a Unidade Básica de Saúde do bairro Cidade Nova, identificação do homem que a sequestrou e a localização do carro da vítima, com a ajuda da Polícia Rodoviária Federal em Teixeira de Freitas, Sul da Bahia. Foi uma corrida contra o tempo, porque a polícia acreditava que ela ainda estivesse viva, mas não estava.
A partir da localização do Ônix, em Teixeira de Freitas, a Polícia Civil de Minas Gerais e dos estados da Bahia e do Espírito Santo, passaram a atuar na procura do suspeito, que foi localizado na casa de familiares em Guarapari, no Espírito Santo, para onde fugiu em um ônibus ao percebera mobilização policial na cidade do Sul da Bahia. Preso, Reginaldo confessou o crime e apontou onde o corpo estava, em meio a uma plantação de eucaliptos. Horas depois o corpo foi encontrado.
A enfermeira morava sozinha no bairro Cidade Nova, onde também trabalhava. Priscila era filha do ex-vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Resplendor, no Vale do Rio Doce, Jânio Roberto da Silva.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem