Brumado: 'Achei que eu ia morrer, que não ia acordar para ver minha família e meus filhos diz Gleice Helen de Oliveira Silva, 22 anos, vítima de violência doméstica

Ticker

6/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Brumado: 'Achei que eu ia morrer, que não ia acordar para ver minha família e meus filhos diz Gleice Helen de Oliveira Silva, 22 anos, vítima de violência doméstica




A jovem Gleice Helen de Oliveira Silva, 22 anos, vítima de violência doméstica no dia 17 de abril deste ano, em Brumado, falou sobre um sábado de terror que viveu com o seu ex-companheiro durante a noite daquele dia.
"Foi uma noite de sábado que eu não vou esquecer, porque não foi de uma pessoa estranha e, sim de uma pessoa no qual mesmo que havia terminado [relacionamento] eu ainda considerava e (...) eu nunca esperava isso dele", relatou.
A vítima que é vendedora de açaí, trabalhava com a família em sua residência, localizada no bairro Malhada Branca. Naquela mesma noite, o ex-companheiro H.M.L.S., 22 não, foi até a casa dela e a chamou para conversar. Segundo Gleice, era por volta de 22h30 quando ela abriu a porta para o ex. "Eu estava trabalhando, e ele pediu pra mim não trabalhar naquela noite porque ele queria conversar comigo. Só que a partir dai eu não lembro de mais nada", afirma Helen.
As agressões duraram alguns minutos.Após gritos e pedidos de socorro, vizinhos invadiram a casa e conseguiram tirar o agressor de cima da vítima que inclusive estava com o filho de 9 meses. Para não ser linchado, Souza fugiu do local, mas foi capturado por populares próximo ao centro da cidade. Ele foi hospitalizado e preso por uma guarnição da Polícia Militar na mesma noite, no entanto, no dia seguinte, foi liberado por um Alvará de soltura. Com a repercussão do caso, o agressor foi preso novamente na tarde de segunda-feira (19) através de um mandado de prisão preventiva.
                                            Foto: Luciano Santos l 97NEWS


Durante a mesma semana, o acusado foi transferido para um presídio em Vitória da Conquista onde aguarda julgamento. Para Helen, a prisão do ex-companheiro foi justa. "A justiça ela sempre atua, e hoje ele está preso. Quem faz o mal, sempre recebe o castigo", contou.
Conforme a vítima, ao acordar no hospital, seu pensamento era de não conseguir cuidar dos dois filhos e rever a família. "Fiquei pensando se eu tivesse partido, o que seria dos meus dois filhos que ainda são muito novos. Porque é muito dolorido tudo isso", contou Gleice que ficou seis dias internada.
"O que mais me prejudicou foi minha face, do lado esquerdo, o meu nariz que fraturou, e meu olho que afundou e vou ter que fazer uma cirurgia para corrigir", diz a vítima que ainda está com a visão comprometida por conta das lesões. Mesmo passando por toda às dificuldades e traumas, Helen continua com o sorriso no rosto e afirma que ninguém vai tirar isso dela. "Uma coisa que ninguém consegue tirar de mim é a alegria, sou muita grata a Deus pelos meus filhos e minha família".
Com a repercussão do caso, Gleice conta que recebeu apoio de toda a população e ficou surpresa com a solidariedade dos brumadenses. "Recebi muitas mensagens, e já mais esperaria tanto carinho, apoio e, eu sou grata pela oração de todos", disse ao 97News. Ele segue em recuperação na casa da mãe e após a cirurgia pretende voltar a trabalhar. "Sim, quero voltar logo ao meu trabalho e continuar com a minha vida", contou.

Postar um comentário

0 Comentários