Burocracia vai atrasar a chegada de vacina contra Covid-19 na rede privada

Ticker

6/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Burocracia vai atrasar a chegada de vacina contra Covid-19 na rede privada

 


Com a validação das primeiras vacinas contra a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, o mundo voltou os olhos para a possibilidade de imunização. Enquanto os governos pensam no esquema de proteção a ser disponibilizado gratuitamente a grupos de risco, o mercado de saúde privada sequer tem previsão de quando o produto estará disponível e o quanto custará.

Em entrevista ao Metrópoles, o presidente da presidente da Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas (ABCVAC), Geraldo Barbosa, explica que a capacidade da indústria em responder à demanda e, no caso do Brasil, a legislação para a liberação do produto no mercado privado atrasarão a chegada das vacinas na rede privada.

A notícia frustra as expectativas de quem não está nas faixas etárias que são prioridade na vacinação a ser executada pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que será em quatro fases e deve começar em março de 2021. “Entendemos a ansiedade, mas a própria indústria está preocupada para fazer o volume necessário de imunizante. A gente não terá comercialização a curto prazo”, lamenta.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alterou regras para a introdução da vacina de forma emergencial. Contudo, as modificações só são válidas para o uso no SUS. Para comercialização, explica Geraldo, o processo é longo. O trâmite começa com a apresentação dos resultados finais pelos laboratórios— diferente dos trechos que estão sendo avaliados agora para acelerar a autorização — e termina com o registro, caso aprovado.

“A indústria tem que submeter o resultado final na Anvisa para avaliação. Teremos a vacina, mas o processo é mais lento para o mercado privado, infelizmente, não teremos a curto prazo a disponibilidade. Vamos monitorar a entrada nos documento na Anvisa. Nenhuma vacina está com o registro agora”, frisa.

Sequer é possível estimar o preço que as clínicas cobrarão pelo produto. Ainda não foi calculado o Preço de Fábrica (PF), uma exigência legal. “O mercado privado tem uma outra lógica de custo, de entrega, de temperatura, de carga tributaria e de Preço de Fábrica que são diferentes do público”, detalha.

Apesar da indisponibilidade inicial, Geraldo está otimista com a descoberta da vacina. “Nunca se teve na história um investimento como esse na busca pela vacina contra a Covid-19. É um marco muito forte”, avalia.

Para ele, nem na pandemia da gripe H1N1, em 2009, mobilizou a ciência de tal forma. “Como tínhamos a vacina, foi rápido mudar a cepa do vírus. Não tivemos que estudar para produzir a vacina. Com isso, a procura foi grande e resposta, rápida. Essa ansiedade tremenda de agora foi algo assustador”, salienta.

Vacina para todos vai demorar

Geraldo comemora os resultados dos estudos e acredita que a vacinação da população terá sucesso. “A gente vai ver em 2021 a vacinação no sistema público e o resultado será mensurado. Os estudos são bons e o resultado de proteção será alcançado”, torce.

Isso deve aguçar a busca pelo produto. Porém será preciso calma. “Até ter vacina suficiente para todo mundo isso vai demorar um pouco”, destaca. Ele completa. “Estamos falando de uma discussão de um ano, que normalmente se leva uma década.”

Como o Brasil tem se comportado no planejamento da vacinação, incomoda o presidente da Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas. Ele acredita que o país está demorando a estruturar a logística básica para uma imunização eficiente.

“Poderíamos estar mais avançados. Uma vacinação desse porte é uma coisa complexa e exige uma logística difícil. O governo poderia ter um projeto melhor elaborado para iniciar a imunização assim que a primeira vacina for liberada”, indica.

Outro ponto complexo é que o Ministério da Saúde firmou acordo só com um produtor, o laboratório AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford.

“Pode acontecer de a indústria não conseguir entregar todo o imunizante. Precisaremos do dobro de doses, já que são duas aplicações. Deveríamos ter sido mais ousados nesse sentido e ampliado a oferta desses imunizantes, em vez de ficar preso a um único fabricante”, pondera.

Apesar dos percalços, Geraldo acredita que o Brasil conseguirá vacinar os grupos prioritários rapidamente. “Ao menos o grupo de risco será concluído em 2021 ou pelo menos no primeiro trimestre de 2022”, aposta.


Fonte: Metrópoles

Postar um comentário

0 Comentários