Ultimas Noticias

EXTRA: Há 55 anos, pai de Fernando Collor matou um senador dentro do Congresso


Os senadores Arnon de Mello e Silvestre Péricles de Goés Monteiro se desentendiam com frequência no Congresso, numa tentativa de medir forças – ambos tinham Alagoas como estado de origem.
Em 4 de dezembro de 1963, Arnon abriu os trabalhos com a seguinte frase: “Senhor presidente, com a permissão de Vossa Excelência, falarei de frente para o senador Silvestre Péricles de Góes Monteiro, que me ameaçou de morte”.

Silvestre não aceitou o desaforo de seu inimigo político e atacou verbalmente Arnon, que sacou um revólver e disparou várias vezes. Nenhum dos tiros atingiu Silvestre, que também estava armado, “mas jogou-se no chão e rastejou entre as fileiras de poltronas com seu revólver na mão”, como relata reportagem do Jornal do Brasil.



Dois tiros, no entanto, acertaram José Kairala, senador pelo PSD do Acre, que, junto com João Agripino, tentava parar a briga. Kairala, de 39 anos, substituía José Guiomard, do mesmo partido. Eram suas últimas horas como senador – devolveria o cargo no dia seguinte ao titular. Ele foi baleado no abdômen na frente do filho pequeno, da esposa e da mãe, que o prestigiavam no último dia de trabalho. Embora tenha sido socorrido, Kailara morreu no mesmo dia, poucas horas depois.

Pressionados pela população, os demais parlamentares aprovaram, por 44 votos a 4, a prisão dos dois colegas atiradores. Apesar do flagrante, assim como ocorre hoje, os outros senadores precisavam dar o aval para que Arnon e Silvestre fossem detidos. Não demorou para serem soltos e em 1964 foram declarados inocentes pelo Tribunal do Júri de Brasília.
Depois de deixar a prisão, Arnon foi nomeado novamente em 1970 para o mesmo cargo que ocupara antes. E, quando faleceu, em 1983, ainda representava o estado de Alagoas no Senado.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário