ULTIMAS NOTICIAS

Os 50 principais países onde é mais perigoso aceitar a Jesus





Saiba os Os 50 principais países onde é mais perigoso seguir Jesus. Por décadas, a Coréia do Norte tem sido claramente o pior perseguidor dos cristãos no mundo. Mas agora, outra nação quase coincide com isso.
A Portas Abertas divulgou hoje sua Lista de Observação Mundial (WWL) de 2018, um ranking anual dos 50 países onde é mais perigoso seguir a Jesus. Aproximadamente 215 milhões de cristãos agora experimentam níveis altos, muito altos ou extremos de perseguição; Isso significa que 1 em cada 12 cristãos vivem onde o cristianismo é “ilegal, proibido ou punido”, segundo os pesquisadores do Portas Abertas.
O país de Kim Jung-un não saiu do primeiro lugar da lista por 16 anos consecutivos. “Com mais de 50 mil presos ou campos de trabalho, essa classificação é uma pequena surpresa para o regime totalitário que controla todos os aspectos da vida no país e força o culto à família Kim”, relatou o Open Doors.
Mas rivalizar com este ano é o Afeganistão, que ficou em segundo lugar em menos de um ponto. A pontuação total da Coreia do Norte foi de 94 (em uma escala de 100 pontos), empurrada acima dos 93 do Afeganistão por uma diferença de 0,6 em seu índice de violência. Nas outras cinco categorias avaliadas – vida privada, vida familiar, vida comunitária, vida nacional e vida da igreja – os dois países receberam as piores pontuações possíveis.
“Nunca antes os dois principais países estiveram tão próximos em incidentes”, declarou o presidente e CEO da Open Doors USA, David Curry. “Ambos os países são extremamente intolerantes e perseguem os cristãos em todas as áreas que a Portas Abertas monitora”.
A crescente perseguição no Afeganistão “é uma tragédia, considerando que os esforços que estão sendo feitos pela comunidade internacional para ajudar a reconstruir o Afeganistão não estão garantindo a liberdade religiosa”, afirmou Curry.
“Os relatos de violência e atrocidades de direitos humanos da Coréia do Norte são generalizados, enquanto a situação enfrentada pelos cristãos no Afeganistão pode ser subestimada. É difícil para os ocidentais imaginar que um segundo país poderia quase atingir os níveis de perseguição vistos na Coréia do Norte, mas o Afeganistão atingiu esse nível este ano. ”
O Afeganistão quase sempre esteve no top 10, marcando o quinto pior de todos os 25 anos de pesquisa do Open Doors. Nos últimos anos, o país de maioria muçulmana subiu do sexto lugar em 2015 (81 pontos) para o quarto lugar em 2016 (88 pontos) para o número 3 em 2017 (89 pontos).
Onde a perseguição é mais violenta?
Atrás de alguns pontos atrás do número 5, o vizinho do Afeganistão, o Paquistão, registrou a maior violência contra os cristãos no ano passado. O país também obteve o maior número de ataques à igreja, seqüestros e casamentos forçados, de acordo com a Open Doors.

Recentemente, também provocou a ira do presidente Donald Trump, que na semana passada cortou a ajuda militar do Paquistão devido a frustrações com a suposta ajuda paquistanesa dada aos terroristas no Afeganistão.
No mesmo dia, o Departamento de Estado dos EUA anunciou o acréscimo do Paquistão a uma nova “lista de vigilância especial” de governos ou entidades que “participam ou toleram” graves violações à liberdade religiosa, mas não são ruins o suficiente para serem considerados “países de preocupação particular.”
A Nigéria (No. 14), onde o Boko Haram opera, e a República Centro-Africana (No. 35) ficou em segundo e terceiro lugar para a violência. A Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA recomendou que o Departamento de Estado acrescentasse o Paquistão, a Nigéria e a República Centro-Africana à sua lista de “países de particular interesse”. (Até agora, eles não foram adicionados).
Qual é a maior ameaça para a Igreja Perseguida?
Entre os dez primeiros, depois da Coréia do Norte e Afeganistão, estão a Somália (nº 3), Sudão (nº 4), Paquistão (nº 5), Eritreia (nº 6), Líbia (nº 7), Iraque ( Nº 8), Iêmen (nº 9) e Irã (nº 10).
Não é uma coincidência que todos esses países – exceto a Coréia do Norte e a Eritreia – sejam predominantemente muçulmanos. De fato, “o extremismo islâmico continua sendo o condutor global e dominante da perseguição, responsável por iniciar a opressão e o conflito em 35 dos 50 países da lista”, declarou a Portas Abertas.
O movimento islâmico é “a parte do Islã que abraça uma agenda política clara para trazer as nações sob a dominação muçulmana e a lei da sharia”, de acordo com a Open Doors. O movimento tem três partes: indivíduos e redes que usam a violência para avançar seus objetivos políticos; aqueles que rejeitam qualquer sistema baseado na lei não-islâmica, mas que não são violentos; e aqueles que interagem com a sociedade votando ou fazendo campanha pela lei islâmica.
“O movimento islamista se manifesta em países de maioria muçulmana, tentando radicalizar a sociedade e em países de minorias muçulmanas, radicalizando as comunidades muçulmanas”, declarou o porta-voz.
Um exemplo: “Todos os dias, seis mulheres são estupradas, assediadas sexualmente ou forçadas a casar-se com um muçulmano ameaçado de morte devido à sua fé cristã”, relatou a Portas Abertas. Esse número provavelmente é baixo, pois inclui apenas incidentes relatados. Também aponta para a dupla perseguição – tanto pelo gênero quanto pela religião – que as mulheres cristãs enfrentam em grande parte do mundo.
A maioria dos países da lista teve um aumento geral na perseguição de 2016 para 2017 (30 de 50). Cinco dos seis países onde a perseguição aumentou mais eram majoritariamente muçulmanos, com a notável exceção da Índia, que passou da 15ª em 2017 para a 11ª em 2018.
Qual é a mais nova ameaça à igreja perseguida?
“O hinduísmo radical e o nacionalismo indiano são fatores que impulsionam os níveis crescentes de inquietação e instabilidade que os cristãos enfrentam”, relatou o Open “O hinduísmo radical e o nacionalismo indiano são fatores que impulsionam os níveis crescentes de inquietação e instabilidade que os cristãos enfrentam”, relatou o Open Doors. “Em 2014, a Índia marcou apenas 55 pontos, enquanto durante o período de relatório de 2018, os pesquisadores [WWL] atribuíram 81 pontos à nação – um dos aumentos mais rápidos e intensos vistos.”
O nacionalismo hindu da Índia tem crescido desde a eleição do nacionalista Narendra Modi para o primeiro-ministro em 2014, e foi destacado pela eleição do presidente nacionalista Ram Nath Kovind no verão passado.

Sob Modi, as violações da liberdade religiosa contra os cristãos – como exclusão social, abuso e prisão – se espalharam sem controle. Em 2017, a Open Doors contabilizou mais de 600 incidentes de perseguição, embora “a maioria dos casos não seja reportada, então o número real é muito maior”, disse a organização. (Ao mesmo tempo, os 589 centros indianos da Compassion International, que servem 145.000 crianças, foram fechados sem explicação.)
O nacionalismo religioso da Índia inchou suas fronteiras, espalhando-se pelo vizinho Nepal e catapultando aquele país para a lista – e subindo a metade, para a 25. Em outubro, o Nepal de maioria hindu mirou no evangelismo criminalizando a conversão religiosa; o Centro de Pesquisas Pew notou crescente hostilidade social lá em 2015.
O nacionalismo budista em países como Sri Lanka (nº 44), Butão (nº 33) e Myanmar (nº 24) é menos óbvio, mas ainda está lá. Os pais têm que mandar seus filhos para escolas budistas, onde as crianças devem aprender sobre o budismo e participar de seus rituais, disse Portas Abertas. E os cristãos muitas vezes são impedidos de alugar um lugar para realizar cultos de adoração.
O vizinho Vietnã (nº 18) e a China (nº 43) também podem ser lugares difíceis para os cristãos – não por causa do nacionalismo religioso, mas porque o comunismo vê a religião como um “ópio para as massas” que deve ser eliminado.
No Vietnã, os níveis de violência caíram, mas isso não levou o Portas Abertas ao otimismo. “Embora seja bom que nenhum cristão tenha morrido por sua fé no Vietnã, as autoridades continuam a reprimir os cristãos de minorias étnicas e começarão a implementar uma nova lei sobre religião em 2018 para todos os cristãos.”
Alguma Boa Notícia para a Igreja Perseguida?
Além do Nepal, o Azerbaijão entrou na lista este ano (nº 45). Eles substituíram os países da África subsaariana de Comores e da Tanzânia, que ficaram em segundo lugar entre os números 42 e 33, respectivamente, em 2017.
“A Tanzânia é o exemplo mais atraente de um país onde a situação dos cristãos melhorou consideravelmente”, disse o Portas Abertas. O país de maioria cristã lutava contra uma minoria muçulmana que se tornava mais radical quando o presidente John Magufuli foi eleito em 2015.
“Sua administração fez um trabalho sério de reprimir os grupos islâmicos radicais”, disse o Open Doors. “Muitos líderes foram pegos e outros se esconderam. A violência contra os cristãos diminuiu muito ”.
A Tanzânia foi o melhor caso de melhoria. Embora dezenas na Etiópia (no. 29) e no Quênia (no. 32) tenham caído devido a muçulmanos e cristãos terem encontrado um terreno comum na política, as duas nações também viram mais violência.
A violência da Etiópia foi dirigida contra muçulmanos e cristãos que protestavam contra o governo, pedindo mais democracia e o fim da corrupção. No Quênia, o grupo radical al-Shabaab islamita matou mais de 30 cristãos, decapitando muitos. “Esta parece ser uma nova tática para instilar o medo na comunidade cristã e levá-los a fugir em massa”, observou o Portas Abertas.
A Síria é outro país onde menos denúncias de violência contra os cristãos dificilmente são motivo de comemoração. Enquanto caiu do número 6 para o número 15, e enquanto o ISIS perdeu a maior parte de seu território, é difícil conseguir números precisos de perseguição no país devastado pela guerra. Além disso, muitos dos cristãos do país já fugiram.
” A violência anticristã não desapareceu”, disse Portas Abertas. “Ainda havia cristãos sírios sendo sequestrados, fisicamente e sexualmente abusados, fugindo de suas casas e do país.”
O ranking do Portas Abertas saiu uma semana depois que o Departamento de Estado divulgou sua lista de países particularmente preocupados – aqueles que “participaram ou toleraram violações particularmente severas da liberdade religiosa”.
Como o Portas Abertas, o Departamento de Estado marcou principalmente países do Oriente Médio e da Ásia: Birmânia, China, Eritréia, Irã, Coréia do Norte, Arábia Saudita, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão. Sua lista foi a mesma do ano passado.
A CT relatou anteriormente os rankings da WWL para 2017 , 2016 , 2015 , 2014 , 2013 e 2012 , incluindo um foco sobre onde é mais difícil acreditar . O CT também perguntou aos especialistas se os Estados Unidos pertencem a listas de perseguição e compilou as histórias mais lidas da igreja perseguida em 2015 , 2016 e 2017 .

Nenhum comentário