Ultimas Noticias

Conquista: Os mais de 500 funcionários da Viação Vitória temem ficar desempregados




Com a crise que o sistema de transporte coletivo de Vitória da Conquista vivencia desde a última terça-feira, quando quase todos os veículos da viação Vitória foram lacrados devido a falta de segurança que eles ofereciam e ainda questões de documentação atrasadas, os mais de 500 funcionários da viação Vitória ficaram ainda mais preocupados.

Todo mundo sabe que é recorrente a falta de entendimento entre funcionários e empresa por causa de atrasos de pagamentos de salários e benefícios, mas com a situação que a empresa passa os funcionários estão ainda mais aflitos, isso porque salários e benefícios que já estão atrasados podem se somar com o mês atual de julho, já que quase nenhum ônibus da frota da empresa está circulando.
Outro temor que os funcionários estão enfrentando é que com o decreto de emergência que a Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista publicou, no qual quase todas as linhas feitas pela Vitória passam a ser atendidas pela Cidade Verde, eles fiquem agora desempregados.


“Estamos chegando a uma situação que está insustentável dentro de nossos lares. Estamos com mais de dois meses de salários atrasados, de férias vencidas, sem fundo de garantia, sem condição psicológica de trabalhar, porque do jeito que está não tem condição de trabalhar”, desabafou um dos motoristas da empresa.

Por isso, nos últimos dias o Sindicato dos Rodoviários e os funcionários da viação Vitória têm feito reuniões constantes para discutir os problemas e buscarem uma solução.

Eles querem que uma empresa seja contratada em caráter emergencial, e que essa nova empresa assuma as linhas feitas pela Vitória e, também, absorva todo o quadro de funcionários. E por fim, que a prefeitura suspenda o contrato com a viação Vitória por não honrar os compromissos com prefeitura, funcionários e população.

A viação Vitória informou que os frequentes atrasos dos salários e a falta de manutenção e a demora na troca de ônibus está ligada às sucessivas e greves e o aumento do transporte clandestino.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário